Coronas Temple

Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Hiramaru em Ter Ago 18, 2015 7:32 pm

Dois dias se passaram desde chegada de Durval e seus guerreiros deuses, nesse tempo eles estavam se preparando para partir em busca dos invasores de asgard, enquanto isso em uma montanha um pouco distante do palácio...


Malditos guerreiros deuses Fillers!!!!


Naquele momento fui surpreendido pela noticia que o Mani havia sumido e não levei importância... mas desde ontem não consigo me acalmar. se relembra do olhar de desprezo de Ur.



"- O que estão olhando seus vermes?? Me acharam lindo??





Ur: Vocês não me parecem grande coisa....eu aposto que se não fosse essa emergência ameaçando Asgard, eu daria cabo de ambos ao mesmo tempo, usando a mão nas costas!! Hihihihiheheheheehahahahaha"


Malditos Ur e Rung vocês me pagam. soca a enorme parede de gelo.


Destruir essas paredes é realmente fácil para mim.


Mas como sairei numa luta contra alguém? Por um momento Hiramaru se preocupa.  Eu venho treinando secretamente fazem alguns dias. Mas não tenho certeza do meu poder...




Pra falar a verdade tenho medo de ser o mais fraco entre nos. Pensa no pessoal do forum.


Não!!! Não posso pensar assim... para de falar por alguns segundos. Sempre assim... que saco... não importa onde eu vá sempre serei assim????   Sem confiança em mim mesmo... Realmente revoltante.  Tenho que mudar, sou uma nova pessoa. Não sou W.C, eu sou Fenrir um Guerreiro Deus e vou provar isso mantando aqueles infelizes. 





Na noite daquele dia.

Fiuuuuuuuuu. Assobia


Lobos vamos indo temos trabalho a fazer.


Palacio Valhala

Outra reunião chata... quando iremos lutar de verdade. Ur pensa sozinho enquanto caminha pelos corredores do palácio após mais uma reunião com Durval. 


De repente ele para incomodado por algo que pareciam olhares vindo da escuridão. 



Quem esta ai? Pergunta se virando bruscamente para trás, pensa por um segundo que poderia ser alguém que estava voltando da reunião como ele. 

Como não obtêm resposta, começa a desconfiar que seja um inimigo a espreita, lentamente começa posicionar sua mão na espada. 


Hahahaha se pensa que pode fazer algo se escondido desta maneira esta muito enganado.

Ur se aproxima do local que sentira os olhares anteriormente.  Mas para sua surpresa não tinha ninguém. Isso deixa Ur incomodado mas ele prossegue seu caminho.


Quando estava chegando no meio do caminho os olhares novamente voltam a lhe incomodar. Mas dessa vez uma aura assassina que aumentava cada vez mais envolvia todo local.  


Ur imediatamente desembainha sua espada.


Lixo imundo... quem pensas que é para tentar me matar. Fala em alto e bom som para que a pessoa escondida ouvisse.


Quem é você???? esbranja sua raiva. 

Mesmo gritando não se  havia respostas. E para o terror de Ur não dava para se ouvi, sentir ou cheira o inimigo. Apenas havia uma aura assassina que arrepiava sua espinha. Essa aura aparecia e desaparecia continuamente. 

Quando de repente...

Garras do Lobo Assassino... 


Aaaaagggghhhhhh.... um ataque vindo das sobras atinge Ur na trairagem. 



São garras de lobos. Ur observa horrorizado o ferimento em suas costas. Pelas marcas ele descobre na hora de quem se tratava o inimigo.

Então é você... o lixo imundo que estava na porta do palácio no dia em que chegamos. Aggghhh...



Então pretende me matar. seu covarde lute como um verdadeiro God Warrior. Apareça!!!

De nada adianta a provocação de Ur, o silencio ainda reinava no local. 
Ur então enfurecido queima seu cosmo e ataca todas as pilastras em busca de Fenrir. 

Quando Ur estava próximo de atacar um pilastra é surpreendido novamente por um novo ataque silencioso vindo das sobras. Dessa vez suas pernas são totalmente mutiladas, os cortes eram profundos como se fossem feitos por navalhas afiadas. 

Ur cai de joelho tentando estancar o ferimento que parecia profundo. 

Mas antes que pudesse se levantar um ataque vem dos céus, dessa vez Fenrir aparece das sombras e atravessa seu corpo com suas garras.


Aghhh!!!! Porque você fez isso? Por acaso é um traidor? Gritava de dor enquanto suas tripas jorravam pelo chão. Ur não entendia a situação, não compreendia porque estava morrendo daquela maneira.

Você apenas me provocou... só isso. Fenrir retira os braço do torço de Ur e joga seu corpo no chão.

"Por um motivo tão idiota..." pensa.

Foi mais fácil que imaginei. No final você não era grande coisa.  Olha com desprezo pra Ur que ainda vivo se agoniava no chão. 


Maldito... Covarde. 
 
Sei que não foi augo digno... mas eu não sou uma pessoa digna afinal de contas. Agora... tenho que sumir com esse corpo.


Fiuuuu!!! Fenrir assobia e seus lobos aparecem diante de ti. Eram uns vinte lobos no total. 




Ele ainda esta vivo, então aproveitem o banquete. Mas não deixem rastros desse infeliz.



Após da a ordem os lobos saltam em cima de Ur e o devoram ainda vivo, sangue espalhava por todo canto. Fenrir se distancia do local não queria ver aquela cena horrível. Ele sai do palácio em  alta velocidade se esgueirando pelas sombras com cuidado para não deixar provas de sua presença no local. Assim iriam achar que Ur morreu devorado por lobos após beber muito.

_________________
avatar
Hiramaru

Mensagens : 1175
Cosmos : 1006201
Data de inscrição : 14/02/2013
Idade : 25
Localização : Santuario

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Myu de Papillon em Ter Ago 18, 2015 10:46 pm


"Enquanto isso, nas sombrias terras ao noroeste de Asgard....


...Alcor descansava, canalizando seu cosmo para um momento que fosse propício utilizá-lo, enquanto isso, analisava o local ao qual decidiu se retirar para descansar"

Esta terra...



...não há vida aqui...




...me sinto como se estivesse próximo do inferno...




...mas não pelo fogo...



....e sim pelo sombrio aroma da morte que percorre este local.


"Vendo que já descansara o bastante, ele decide se levantar e sair."

Hunf, acho que já fiquei o bastante por aqui...




...mas para onde irei agora?



Até pouco tempo atrás, percebi um cosmo, parecia ser do Puja...




...mas estava distante daqui. Só que distância não é problema, vou encontrá-lo.


"Alcor sai em disparada pelas fúnebres terras do noroeste, em direção do norte, onde segundo seus cálculos, estaria Mizar"

Neve....morte, morte.......neve.... é só isso que eu vejo por aqui - Henrique reflete sobre a paisagem enquanto corre




Que saco, nada muda... é sempre a mesma porcaria!



Por quê fui me enfiar nesse fim de mundo - Henrique começa a se arrepender da ideia de se isolar do mundo para concentrar cosmo e treinar com a pouca gama de opções de treino que havia por lá.




Deveria ter ficado na floresta...



...mas estaria sujeito a ter problemas caso ficasse próximo do castelo, afinal,  existem pessoas lá que querem minha cabeça em uma bandeja de prata.


Acho que não foi ruim me isolar, hehe.

"Henrique, enquanto refletia, não se dá conta de que está cercado por uma densa e sombria névoa, que tomara conta do ambiente a medida que ele avançava..."


Ah, puta merda. Era só o que me faltava...


...agora não enxergo praticamente nada do que está à minha frente!



Recue, guerreiro... (vozes ecoam na densa névoa)

Quem são vocês?


Recue... ou sofrerá as consequências.


Revelem-se, malditos!

Re...cue...

Chega! AAAHHHHHHHHHH!!! (Henrique se irrita, e dispara uma forte rajada de energia, sem direcionar alvo)


Blam! (O golpe atinge uma superfície)


Rá, parece que acertei algo...

...a névoa na minha frente está diminuindo, agora posso ver o que tem aqui.

Nós lhe avisamos para que recuasse, rapaz (as vozes ocultadas pela névoa se revelam).


Quem... quem são vocês?

Mensageiros da morte.

Guerreiros destinados a matar aqueles que desobedecem as regras de recuar ao entrarem na parte mais sombria destas terras asgardianas.

MORRA! WHOAAAAHHHHHHHH!!! (uma dezena de misteriosos guerreiros o ataca)

Não vai ser assim tão fácil. - esboça um leve sorriso.


Preparem-se, guerreiros.



Recebam o poder de minhas congelantes garras!


"Os ataques colidem, e logo Henrique percebe o mistério que envolve esses guerreiros aos quais ele acabara de derrubar"


Esses guerreiros, eles deveriam ter perecido com meu ataque...



...mas...

...que marcas são essas que eles carregam no corpo?


Não, não pode ser que eles sejam o que eu estou pensando, não pode ser!


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Uma vez o Puja me contou sobre uma lenda asgardiana....
...guerreiros mortos em batalhas que as Valquírias levavam até Valhalla...

....tais guerreiros mortos  eram trazidos de volta à vida por Odin, formando um poderosíssimo exército.



Eles eram conhecidos como....




...

Einherjar.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Mas porquê eles estariam aqui?


Rapaz.


Fale.

Esqueceu-se de algo...

...Não é apenas Odin que pode trazer os mortos de volta à vida.


"Os guerreiros se revelam ilusões, e desaparecem logo em seguida, junto da névoa"


Eles desapareceram... eram ilusões.




Parece que alguém quer me pregar uma peça.



Admito, foi bem bolada, hehe

Não te diria que é uma brincadeira, Guerreiro-Deus das sombras, Alcor.


 Quem está aí?


Revele-se!

Atrás de você.

"Henrique se vira, já em postura de ataque"



Mas você...



... é só uma mulher.



O que faz aqui sozinha? Volte para o seu vilarejo.

"A misteriosa mulher de capuz mantém um sepulcral silêncio"



Ei, não me tira pra trouxa. Estou falando com você.


....

Ok, então vou ter que te forçar a falar, né?


....

Você pedi... AH! AAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHH!!! (Alcor é jogado pra baixo por um incrível poder emanado da moça)



O que..... é isso? Sinto como se estivesse sendo esmagado....





....meus ossos... estão estalando...
...quem é está mulher? Que poder absurdo....



....AAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHH...


Você disse que me forçaria a falar...


...mas estou lhe forçando a gritar... de dor.




Dor...sofrimento...agonia...



...medo de morrer inutilmente para uma singela moça de capuz.

P.................pare...................


Não se preocupe, não irei matá-lo.


Aliás, vim parabenizá-lo.


"a pressão se desfaz, Alcor se levanta"

Parabenizar?


Não teve medo de minhas ilusões, não recuando.




Além disso, as atacou.



Isso foi um simples teste de força, já que ficaste por aqui descansando.



Queria ver até onde poderia chegar.



Agora vá, a pessoa que procura está logo a frente, passando aqueles pequenos morros e cruzando o rio.



É só isso que tenho a te dizer por ora. (a garota, assim como os guerreiros, começa a desparecer)

Ei, perae. Não vai me dizer quem é antes de ir?

...


Quem é você????

Alguém que está lhe vigiando, rapaz. É só isso que tenho a dizer. - Mantém um semblante sério enquanto fala


Vigiando?


(A garota some, o caminho para encontrar Puja está aberto)

Eu, hein? Guria estranha... mas poderosa pra caralho.




Me escapei de virar presunto...




...o cosmo que ela emanou aquela hora...



... divina.


=================================================================


"Seguindo a indicação da estranha mulher, Henrique chega ao local próximo de onde está Puja, mas antes ele passa por um vilarejo destruído."


Caralho...



...Que carnificina.




Será que foi o Puja que fez isso?




Não... mesmo tendo poder para tal, isso não é de seu feitio.

Gue...guerreiro! (Uma voz fraca chama por Alcor)


Um sobrevivente. (Henrique vai até ele)

Conte-me, o que aconteceu aqui?


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estávamos aqui... (cof. - cospe sangue)... vivendo normalmente, como todo dia nessa gélida terra.




Pessoas trabalhando, preparando alimentos... as crianças brincando...



Até que a morte pairou sobre nós com a forma de um guerreiro que empunhava sua impiedosa arma.



Ele... destruiu tudo que nós demoramos tanto para construir (o camponês chora compulsivamente ao lembrar do ocorrido)


Ele quem?


Um guerreiro, assim como você.


Como ele era?


A primeira vista, era alguém digno de toda adoração.



Sua expressão, a imponência que passava...



...o aspecto bondoso que transmitia e atraiu as crianças a ele



Elas foram as primeiras.... pelo menos não sofreram tanto...

As crianças... (Alcor refletia)


...suas cabeças foram as que rolaram primeiro...




...depois as mulheres...




....os idosos....



...e por último, os guerreiros como eu, que partiram para cima, a fim de evitar aquilo.



Fomos aniquilados, pois não quisemos dar a ele a localização do Guerreiro-Deus que passou por aqui um tempo antes.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Mas, quem faria algo assim? Mesmo para um guerreiro, atacar inocentes sem explicação não é aceitável, pelo menos pra mim.




Quem poderia ter sido? Quem foi que fez isso?

Foi Balder.


Puja? (Henrique vê Puja se aproximando dele)


Então você já sabe quem ele é.

Sim, ele partiu atrás de mim, porém meus soldados foram inocentes demais ao não disserem a ele onde eu estava.




Muitas vidas se perderam por culpa disso.



Mas a culpa maior é minha, deveria ter partido pra cima, e não ter ficado parado esperando.


Vai atrás dele?


Com toda a certeza, farei ele pagar por cada gota de sangue que derramou.

Mas... guerreiros....ele não foi o único demônio que nos atacou.

Como assim? (Puja indaga)

Ele havia deixado sobreviventes, mas um grupo de bárbaros apareceu horas depois.




Mataram os guerreiros sobreviventes, e sequestraram algumas mulheres, fugindo para a floresta das trevas.



Uma delas é minha filha. (cof- o sangue cuspido é cada vez maior, ele está a beira da morte)




Por favor, encontrem-a.



Em troca, dou esse dinheiro que possuía.




Façam isso... por..... favor.........................


...o homem cai morto, vitimado pelos graves ferimentos.


E então, Henrique? O que faremos?


Puja.




Balder.... os bárbaros....




Não posso deixar que o desejo desse senhor de salvar a filha se esvaia como o sangue que derramou pela neve antes de morrer.


Então vamos!


Sim.


A floresta amaldiçoada é imensa, ela vai do centro até o Palácio de Valhalla.


Pode ser que o tal Balder também esteja por lá.


Vamos avançar.


E matar.


Cada um.


Que fez.


Esse povo sofrer.


Independentemente de quem seja.


É raro lhe ver irritado, Henrique.

Não admito covardias, aquele que a cometera pagará com sangue!

Vamos então!

"Os dois guerreiros gêmeos partem em direção do interior da floresta amaldiçoada"


Última edição por Griffon no Henrique em Qua Ago 19, 2015 12:46 am, editado 1 vez(es)

_________________
avatar
Myu de Papillon
Viadagem não especificada
Viadagem não especificada

Mensagens : 893
Cosmos : 11006013
Data de inscrição : 06/01/2013
Idade : 25
Localização : No seu kokoro S2

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Hypnos em Qua Ago 19, 2015 12:43 am

Á
Dois dias haviam se passado, desde a chegada de Durval e sua trupe de Guerreiros deuses para complementarem as forças de Asgard.

Durval estava em seus aposentos, traçando uma estratégia quando pressente o cosmo de um dos seus Guerreiros deuses enfraquecendo e desaparecendo.

Durval: Malditos sejam!! Não posso acreditar que Ur foi derrotado tão facilmente!! Vou me vingar do infeliz que fez isto, fazendo-o sofrer como nunca sofreu antes.

Durval grita a plenos pulmões o nome do seu braço direito!!

Durval: LOKIIIIIIIIIIII, venha aqui imediatamente!!! Há trabalho a ser feito, e lixo imundo a ser retirado.

Loki que estava do lado de fora do Palácio, ouve o chamado de seu mestre e adentra rapidamente o mesmo, chegando tão logo a presença de Durval, onde se ajoelha perante o mesmo.

Loki: Me chamou, senhor Durval??

Durval: Sim, quero que você caçe e destrua o infeliz que derrotou o Ur. Creio que sentiu o cosmo dele desaparecendo, não?? Estraçalhe ele sem dó. Se falhar, eu mesmo acabarei com você.

Loki: S-sim, s-senhor Durval....partirei agora mesmo em busca de traços e pistas.

Loki sai rapidamente dos aposentos de Durval, veste sua armadura e começa a rondar os corredores do Palácio Vallhala em busca de pistas, ele estava furioso, e queimava agressivamente seu cosmo.

Enquanto isso, em outro ponto do Palácio os Guerreiros deuses de Hilda, estavam reunidos em uma sala, muito parecida com as famosas salas de guerra. Havia uma enorme lareira, carne a vontade, muita bebida, e uma mesa de sinuca.

Era um local muito confortável, havia enormes tapeçarias, paredes decoradas com diversos ornamentos de ouro e prata, e longas janelas que davam vista ao mar Artico.

Estavam reunidos ali Midgard que estava vestindo sua armadura e ficava encarando a lareira, sem dizer uma palavra.

Rung bebia profundamente e parecia não se incomodar com mais nada, do outro lado Mime estava sentado próximo a lareira mexendo em sua harpa silenciosamente. E Hagen que estava inquieto com a presença de Midgard ali.

Hagen: Escutem bibas, eu senti o cosmo de um dos Guerreiros deuses de Durval desaparecer.....o que será que aconteceu??

Mime: Não interessa nem um pouco, agora cale-se! Estou ocupado buscando afinar a minha harpa.

Hagen: M-mas....

Midgard se levanta e vai caminhando em direção a porta para sair do recinto, quando neste momento, Fenrir adentra o mesmo recinto. Olhares se cruzam entre Midgard e Fenrir.

Midgard: Saia do meu caminho fedorento....tenho mais o que fazer do que ficar perdendo meu tempo com lixo imundo como você. -[Falava em um tom rispido]-

Fenrir ao ouvir tais palavras, range os dentes cerrando os punhos, mas abre caminho para Midgard passar. Este sai empurrando Fenrir, que não esperava e é jogado contra a porta, quase caindo.

Fenrir vira-se para os colegas que estavam dentro do salão, e fala para eles:

Fenrir: Vocês viram que atrevido esse outro imbecil?? grrr.....que ele pensa que é?? Depois morre e não sabe porque morreu....grrrr

Mime: Se eu fosse você prestaria mais atenção. Esse Guerreiro me parece ser o Kaique, nosso peraboy. Senti um cosmo estranhamente familiar....que me lembrou o pera corinthiano.

Fenrir: O que?? Midgard é o Kaique?? Eu bem que me perguntava dele....não poderia imaginar que ele acabaria caindo nas forças de Durval.

Hagen: Ele me parecia preocupado com algo....na verdade...ele me pareceu sincero em demonstrar preocupação pelo Siegfried. Não vi nenhum de vocês se manifestando....

Silêncio mortal paira na sala, todos ficam quietos e desviam os olhares para o chão ou paredes por um momento.

Fenrir: Se largando em um sofá muito acolchoado que havia ali: E o que você quer que façamos, álcool Hyodado?? Aquele desgraçado possivelmente deve ter sido morto pelo inimigo. Não entendo o que aconteceu que ele possa ter desaparecido.

Mime: Ouuu....[começa a gargalhar] fugiu com o rabo entre as pernas de medo Hihihihihehehehehahahahahahah

Nesse momento, os Guerreiros ali reunidos no imenso salão de guerra, sentem 03 poderosos cosmos invadirem o Palácio Valhala e ouvem gritos de desespero e agonia, de soldados, criados e aldeões abrigados, ali sendo mortos impiedosamente.

Eles saem correndo em disparada porta afora, com exceção de Rung, que se dirige até Durval, e se deparam com pilhas de corpos esfacelados por todos os lados, sangue escorria por paredes, pisos, pilastras, tripas por todos os lados. Cabeças rolando, e os gritos de agonia e desespero ressoavam fortemente.

Fenrir: Vamos nos espalhar, tentaremos proteger essas pessoas e o palácio desses impuros.

Fenrir e Mime seguem pelos corredores da direita, e se deparam com Fafnir. Já Hagen vai pela  esquerda, indo até o hall do palácio, aonde se depara com Balder.

_________________
avatar
Hypnos
Fundador sonolento
Fundador sonolento

Mensagens : 2095
Cosmos : 1005953
Data de inscrição : 20/12/2012

Ver perfil do usuário http://coronas.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Aiacos em Qua Ago 19, 2015 6:59 pm

======================================================

"Enquanto isso, em algum palácio que ficava situado numa área mais afastada do centro de Asgard..."



"Palácio esse que pertencia à família Alberich, que como é consabido, fazia parte da nobreza de Asgard. Era uma construção antiga e majestosa, apesar de mostrar sinais do tempo. Ali era o local aonde eu permaneci durante minha estada nessa terra esquecida pelos deuses."


- Então é isso...segundo os relatórios de vários soldados rasos, alguns inimigos puderam ser identificados. "Cá estou eu, no jardim do palácio, dialogando com uma outra pessoa."



- Portanto, com base nessas identificações, pude descobrir quem eram os outros inimigos, logo, não há dúvidas de que existem sim guerreiros deuses que atentam contra a paz de Asgard. "Cruzo meus braços, enquanto me encosto na parede da construção."



- Nesse diapasão, pelas informações que coletei, aqueles guerreiros que foram identificados fazem parte de um grupo maior, grupo este composto de um total de sete guerreiros deuses: o Frodi, o Hércules, o Fafnir, o Sigmund, o Surt, o Balder...e tem mais um que eu esqueci o nome..."Comecei a contar com os dedos, quando de repente interrompo a contagem, ao me esquecer do último deles, justamente o mais misterioso."



- Me ajuda aqui! É aquele doido que usa uma máscara sinistra na fuça. "Tento descrever inutilmente a robe que este portava."



- Esse que você está falando provavelmente é o Utgard..."Lyfia parecia conhecê-lo, o que me faz recordar do nome daquele maldito. Mas eu não podia falar que ele se parecia com a Geisy ou o Titan, afinal ela jamais saberia quem são esses dois elementos do universo Saint Seiya. Capaz dela nem saber que existem outros deuses de outras mitologias além da nórdica."



- Isso, isso! Ele próprio! "Solto uma risada de satisfação, enquanto me aproximo da jovem garota."




- Mas ainda existem detalhes que não estão batendo, e eu preciso me aprofundar ainda mais. "Argumento enquanto observo a minha safira de Odin, cujo brilho me hipnotizava."



- Eu não entendo...todos os outros estão lá tentando proteger Asgard, enquanto você fica enfurnado nos livros. Já sabemos quem são os inimigos, não há o porquê de ficarmos aqui parados. "A jovem demonstra impaciência e rebeldia, enquanto me encara ousadamente."



- Então pare de perder tempo e vá ajudá-los!!! Você está parecendo um covarde dessa maneira. "Aumenta o seu tom de voz, enquanto me encara com seus lindos olhos azuis."


- Garota, não seja burra!!! Devemos pensar mais além!!! "Diante dessa insolência, acabo me irritando."



- Por Odin!!! Você é muito teimoso, e não faz nada para ajudar os seus companheiros. Enquanto conversamos aqui, o povo de Asgard sofre nas mãos desses inimigos. "Lyfia continua a espernear, embora com certo fundamento. Mas eu não era uma pessoa paciente para tolerar esse tipo de comportamento."



- Calada!! Seja realista!!! "Aponto meus dedos para a jovem, que se assusta."



- Basta! Vou abrir o jogo contigo! Preste atenção no que eu vou te explicar. Tem um detalhe muito importante que nós deixamos passar. "Encaro-a de volta, deixando a garota desconfortável com a minha reação."



- Em primeiro lugar...temos o sumiço repentino de Dubhe, o líder dos guerreiros deuses de Asgard. Isso não lhe diz nada a respeito? "Questiono para ela, enquanto me aproximo, parando ao seu lado."




- Realmente, o sumiço dele foi repentino, a Hilda ficou preocupada, tanto que mandou uma divisão de soldados atrás dele, mas não se teve nenhuma notícia. "A garota dá alguns passos para trás, demonstrado certo receio diante de minha reação mais agressiva."



- Agora Lyfia, vem a parte mais intrigante. "Coço a minha nuca, pensativo."



- Um dos guerreiros deuses inimigos foi identificado como sendo Sigmund...que nada mais é do que o seu irmão mais velho. Coincidência ele aparecer justo agora, e ainda, exterminando pessoas do nada, sendo que seu irmão é líder daqueles que protegem essas terras? "Me aproximo mais ainda de Lyfia."



-Sigmund é irmão dele, é mesmo! Eu já tinha ouvido falar dele! "Agora a ficha parecia estar caindo para Lyfia. Até entendo a surpresa dela, pois poucas pessoas sabiam sobre Sigmund, e este andava recluso ultimamente."




- Continuando...eu precisava saber se você não possuía nenhum envolvimento com esses guerreiros deuses inimigos que surgiram de repente. "Eis que esboço um sorriso sádico para Lyfia."



- Como assim?? "A garota reage com surpresa e espanto diante de minha alfinetada."



- Ora Lyfia, eu precisava ter certeza de que você não estava agindo por trás das cortinas. Tinha vários motivos para suspeitar de você. "Afirmo com veemência, me lembrando dos acontecimentos que vi acontecer em Soul of Gold, quando eu ainda vivia no outro mundo, a realidade."



- Por exemplo, quando eu argumentei que o guerreiro deus de Gullinbursti estava envolvido nos massacres, você me contestou furiosamente, defendendo-o. E segundo o que você mesma disse, já conhecias o Frodi há anos. E me afirmou de pé junto que ele é uma pessoa bondosa, dedicada e compromissada com o povo e o bem estar de Asgard. "Dou uma pequena risada, brincando com a culpabilidade de Lyfia. Na realidade, precisava confirmar se ela também estava sendo manipulada como havia acontecido no anime que eu assisti no mundo real."



- Sim, e ainda repito tudo o que eu já disse. Não consigo acreditar que o Frodi esteja fazendo essas atrocidades. Por isso quero ir lá ver com os meus próprios olhos. "Noto que a garota fica profundamente abatida e entristecida ao relembrar de seu amigo que estava sendo acusado de genocídio e traição."



- Então Lyfia, é por isso que eu afirmo para você: alguém está manipulando Frodi. "Cheguei à essa conclusão de uma forma bem simples, na verdade."





- Existe uma força maior que está manipulando essa guerra. Por isso, eu precisava investigar a fundo, para não falar bobagens. "Encaro a jovem garota seriamente."




- Inclusive tenho um nome para essa entidade que está manipulando tudo: Loki! "Afirmo em alto e bom tom para Lyfia."



- Então nós não temos tempo a perder. Temos que reagir o mais breve possível!! "Novamente Lyfia volta a agir de maneira chata e imprudente."



- Acalme-se, e fique aqui na minha residência!!! Até porque és minha subordinada, queira ou não! E aqui você não sai. Aproveita que eu pedi para lhe fazerem um belo jantar. "Eis que saco a minha espada de gelo, e aponto para Lyfia, pedindo para que esta adentrasse a minha residência e me aguardasse."



- Mas o que você ainda pretende fazer? Já respondi todas as suas perguntas!!! Disse tudo o que eu sabia! "A garota ainda continua sem entender as minhas intenções."



- Não se preocupe minha jovem. Você ainda terá muita utilidade para mim. "Esboço um sorriso psicótico, e em seguida me afasto de minha residência."



- Utilidade? "A jovem se questiona, enquanto é escoltada pelos meus subordinados para dentro do palácio."



"E sem perder tempo, caminho em direção à floresta da morte."



"Ainda faltava um último elo para fechar minha investigação."



"Logo ali perto, parecia que havia alguém escutando a nossa conversa."


=================================================


Última edição por Aiacos em Sab Ago 22, 2015 2:21 am, editado 8 vez(es)

_________________

“Nada é mais justo na vida do que a própria morte. Não importa a cor da sua pele, não importa a profissão exercida, não importa a crença acreditada, não importa aonde nasceu e tampouco de onde veio. Todos, sem exceção nenhuma, irão voltar à terra, para apodrecer e servir de alimento aos vermes.”
avatar
Aiacos
Berseker
Berseker

Mensagens : 1491
Cosmos : 20009018
Data de inscrição : 03/02/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Aiacos em Qua Ago 19, 2015 7:00 pm

==================================




"Depois de discutir com a Lyfia sobre as minhas investigações, e abordado acerca de minhas suspeitas, decidi que era hora de entrar em ação."






"Após caminhar pelas neves, sob a congelante temperatura de Asgard, passo pela floresta amaldiçoada, até enfim chegar diante do palácio Valhalla."






- Então a invasão já começou..."Olho atentamente para a cidade, que estava em chamas. Podia ouvir, mesmo que em baixíssimo tom, o grito de terror que ecoava pelos quatro cantos. Eram os habitantes que gritavam enquanto eram exterminados miseravelmente pelo inimigo."





- Sinto duas cosmos energia muito agressiva no interior do palácio..."Volto minha atenção para o palácio Valhalla, enquanto reflito acerca da presença de dois guerreiros deuses que haviam adentrado naquele local: Balder e Frodi. Já havia saído da floresta amaldiçoada."






- Tenho certeza de que estão manipulando o Frodi. "Faço uma pausa, enquanto relembro de minha discussão com Lyfia acerca desse guerreiro deus, quando debatemos sobre sua personalidade e histórico como cidadão de Asgard." - Já o Balder...acho difícil manipularem alguém tão poderoso como ele...se bem que o Shaka detonou o cara facilmente, hahahaha... "Solto uma gargalhada ao me relembrar de certo episódio de Soul of Gold que havia assistido no mundo real."






"Quando me aproximo do palácio, caminhando pelas escadarias, sinto duas cosmos energia se aproximando, e imediatamente reconheço elas."






- Pujol...Henrique..."Paro de subir nas escadas, e viro-me na direção deles."




===================================================================

CONTINUA


Última edição por Aiacos em Sab Ago 22, 2015 12:34 am, editado 2 vez(es)

_________________

“Nada é mais justo na vida do que a própria morte. Não importa a cor da sua pele, não importa a profissão exercida, não importa a crença acreditada, não importa aonde nasceu e tampouco de onde veio. Todos, sem exceção nenhuma, irão voltar à terra, para apodrecer e servir de alimento aos vermes.”
avatar
Aiacos
Berseker
Berseker

Mensagens : 1491
Cosmos : 20009018
Data de inscrição : 03/02/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Pujol em Sex Ago 21, 2015 3:23 pm

(Esse post acontece antes do que o Manigold fez, sendo a continuação do que o Henrique fez)



Alkor e Mizar logo caminhavam em direção a floresta assombrada, lugar de descanso de Alberich, passando pelas planície repleta de neve que cobria parte de Asgard.



Você está quieto demais, o que aconteceu? Questiono Henrique, pois conheço o mesmo a alguns anos.

Henrique parava e olhava para o amigo.



Cara acho que uma das lendas que tu me contou sobre as terras nórdicas tomara forma. Falava com certo espanto.

Não demonstrei qualquer reação a meu amigo, apenas questionei.



O poder que temos já não é parte de um mito? Questionava de forma avoada.



Não venha me responder com outras perguntas mano, o que quero dizer é que outras lendas mais sombrias estão aqui. Falava com certa incerteza.

Caminhei um pouco e me virei para ele, com um semblante sério.



Sendo franco meu amigo, eu escolhi aquele lugar justamente por isso... Existem outros interesses divinos nessa terra além dos de Odin. Falava enquanto caminhei um pouco mais a frente.



Uma vez te contei sobre uma divindade em particular, uma feminina, se lembra por acaso? Olhava ao redor enquanto falava.



De cabeça eu não lembro. Falava francamente, apenas coçando a cabeça.



Seria útil lembrar de quem lhe visitou. Falava com um tom sarcástico, fazendo piada com a situação.

Henrique logo mudou seu olhar e me respondeu.



Que merda. Falava com a expressão que sempre demonstrava quando algo ruim quase lhe acontecia sem perceber.

Após terminarmos a conversa decidimos continuar a caminhada até a floresta, porém estive com outro objetivo em mente.



"Eu já tinha conversado com Balder através do meu cosmo, tanto que o desafiei e ele aceitou... Então por que ele não veio até onde estou." Pensava enquanto caminhava sem prestar atenção na imensidão de neve a minha frente.



"Talvez a missão dele tenha mudado então não tenho muito tempo a perder com as brincadeiras do Barouki." Pensava friamente sobre a situação.



"Não posso acreditar que ele tenha ficado com medo, afinal este nome se remete a um Deus de bravura.... Tenho que lembrar que a mitologia que existe no mundo 'normal' foi criada pela percepção limitada de humanos normais e não por usuários de cosmo." Pensei com certa decepção, visto tudo que havia descoberto no polo mais congelante de Asgard.

Rapidamente me virei na direção que lembrava que o Henrique estava, porém não era mais possível ver nada, uma névoa incrivelmente espessa estava me cercando, logo ao olhar a mesma lembrei que está havia cercado Alcor, algumas centenas de metros atrás.



Isso é estranho... Mas estou em Asgard, nada é realmente estranho. Falava sem dar qualquer atenção a névoa.

Em meio a névoa um pequeno número de soldados se levantou do chão e caminharão em minha direção, com uma tatuagem bem representativa em seus rostos.



Soldados se afastem ou paguem o preço por sua intromissão. Falei calmamente aos mesmos.

Ignorando meu aviso os mesmos logo pulam em minha direção, como cães raivosos e com seus olhos vermelhos sangue.



Vocês não irão morrer. Falava acenando para cima com a mão, congelando todos os soldados rapidamente.

Aproveitando a névoa fui em direção as estátuas de gelo, e pude constatar rapidamente com um olhar.



Einherjar... Guerreiros revividos do submundo para ajudar um Deus... Isso é fascinante, mas não chega a ser incrível como outras coisas que existem aqui. Falava comigo sem qualquer compromisso, apenas analisando a expressão de cada guerreiro dentro de uma estalactite de gelo.



Então você é mais detalhista que seu irmão... Talvez não seja uma boa ideia aparecer na sua frente. uma voz ecoava da névoa.



Algo a mais para pensar nesse momento... Pois bem, terei que esperar para enfrentar Balder. Falava de forma fogosa, com certo respeito pela presença que encobria o nevoeiro.



Está preocupado com este tal Balder? A ponto de me ignorar? Falava com certa imparcialidade.



Não estou ignorando ninguém, apenas comentei, mas que assuntos queres tratar? Falava sem demonstrar agressividade.



Vocês são bem diferentes, não sei como se dão bem, mas estou intrigada, você parece gostar dos segredos desta terra e procura eles sem se espantar, afinal eu vi o que você encontrou... Já seu irmão em compensação parece alguém mais regrado, se mantendo em segurança e gostando de se manter longe dos outros. Falava calmamente.



Pelo que noto você está acima de nós e ainda é capaz de controlar essa névoa, que eu presumo ser Fimbulwinter, para os normais o primeiro sinal do Ragnarok, para mim um modo de um ser supremo se ocultar. Falei calmamente com a voz feminina.



O que presumi estava correto, então vou ser bem clara e te pedir duas coisas: Não comente com ninguém sobre mim e meus Einherjar... E lembre em homenagem a que sua armadura e a de seu irmão foram feitas. Ela falava elevando seu cosmo a um nível divino.

Naquele momento pude notar a diferença entre um humano e um Deus, porém logo o cosmo desapareceu com a névoa e pude notar que estava a uma longa distância de meu amigo.



Porra Puja o nevoeiro te pegou também? Ela apareceu para você? Fala rapidamente, sem tentar fazer piada.




Sim e não. Respondia rapidamente a ele, acabando de digerir o que acontecerá.



Então ela te achou feio demais para aparecer na sua frente HAHAHA... Ria alto ao final.



Eu e tu temos a mesma fuça falhador de merda, se bem que to menos fedido que tu, lembro de tomar banho ou ficou três dias dormindo pelos cantos? Falava de forma espalhafatosa, segurando uma risada.



Vai tomar no cú meu. Falava com uma risada estampada na cara.



Nos olhamos rapidamente e logo caímos na risada, voltando a nos falar seriamente após alguns segundos.



Ela não quis se mostrar, por pensar ser um risco, para identidade dela, afinal de contas você sabe meu interesse por essa mitologia em especifico... Mas vamos deixar isso de lado, e vamos achar o Al Barouki. falava com um semblante sério.



Tá certo, temos que achar ele. Falava de forma breve.

Os dois seguem em direção a floresta de Al Barouki.
avatar
Pujol
CEO Empalador
CEO Empalador

Mensagens : 1249
Cosmos : 20006013
Data de inscrição : 16/02/2013
Idade : 25
Localização : 4ª Esfera: Giudecca

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Thanatos em Ter Ago 25, 2015 6:06 pm

Após a reunião dos sete Guerreiros Deuses com Hilda no palácio Valhalla,
mais uma alma humana é chamada para dentro do corpo do Guerreiro Deus de Phecda, Thor.

















???: Ahhh...ah....
???: Mas hein...? Que...que lugar é esse?




Hilda: Thor!! Thor!!
Hilda: Você ainda não saiu do Palácio? "Uma linda moça aparece indagando o sujeito."




???: Ahn...? "Percebo a moça bonita me chamando, mesmo muito confuso continuo a conversa com a senhorita."
???: Sair para onde, senhorita? "Onde diabos estou...quem é essa mulher? (Pensa)"



Hilda: Oque há Thor?
Hilda: Estava dormindo em nossa reunião?
Hilda: Mandei alguns Guerreiros Deuses verificar essa onda de assassinatos em massa em nossa terra, Asgard.




???: Guerreiros Deuses? Asgard? "Sussurrei por um instante."
???: Si...sim senhorita. "Melhor entender oque está havendo comigo antes de sair falando bobagens, vão achar que eu enloqueci."





E então o confuso Guerreiro Deus caminha para fora do Palácio, observando todos os detalhes, se surpreende com a beleza do local....até abrir as portas para a "rua".




???: Mas que porra é essa?
???: Esse monte de neve....como eu vim parar aqui!? "Vou me afastando do palácio, até achar um grande lago lá me assusto novamente quando vejo o meu reflexo na água cristalina desta terra gelada."
???: OOOQUEEEEE SIGNIFICA ISSO!? ESSE....SOU EU!?
???: ESSE É....ESSE SOU....AH...
???: Devo estar sonhando, ou muito drogado. Tudo parece tão real....
???: O reflexo na água....o vento gelado em meu rosto....essa sensação em meu corpo...
???: Tô realmente drogado, ou eu me tornei um GUERREIRO DEUS DE ASGARD, THOR DE PHECDA!
???: Acho que estou vendo muito anime, pqp!





!?!: Veja só quem eu encontrei!!
!?!: HMHMHMHM, UM GUERREIRO DEUS DE ODIN!



???: Hmmm?

???: Mas este é Hercules!



Hercules: Oque!?
Hercules: Como é que sabe meu nome Guerreiro Deus de Phecda?




???: Eita....é ele mesmo....
???: Escute aqui grandão, eu sou Mira....MIRA DE PHECDA!
Mira: Caramba, eu sempre quis falar isso! "Mais confortável, consigo até rir."



Hercules: Mira?
Hercules: Hmhmhmhm....você é bem estranho THOR DE PHECDA.
Hercules: Acha mesmo que eu não o conheço, Guerreiro de Odin?
Hercules: Mas isso não interessa agora, já que vim para mata-lo.




Mira: Bom se ele me matar eu acordo desse sonho....mas...
Mira: Mas eu irei aproveitar este sonho tão real!




Hercules: Doque é que você está falando?




Mira: Hmmmmmmm...
Mira: Se me lembro bem....o meu ataque.... "Começo a emanar um grande cosmo e sinto uma grande sensação de poder vindo do meu corpo, eu estava mesmo dentro do Corpo do Guerreiro Deus de Phecda!"




Hercules: OQUE!?








Mira: VENHA MEU MARTELO! "Chamo pela a arma de Thor, e para minha surpresa o martelo divino aparece voando até minhas mãos."
Mira: O MARTELO DIVINO, MIJOLLNIR!!!!! "Logo em seguida o ataco diretamente jogando os dois martelos."













Hercules: OOOOOOOOOOOOAaaaaaaaaaaaaaaa...........




Mira: ISSO É DEMAIS!



Hercules: OHohahahahahah....
Hercules: Excelente, Thor! Mas seus martelos não terão nenhum efeito enquanto eu estiver usando o Robe Divino de Tanngrisnir!



Mira: Se defendeu do ataque? Ahn...aqueles escudos?



Hercules: Isso mesmo, meu Robe Divino possui dois escudos que podem suportar qualquer tipo de ataque, mas também....
Hercules: EU POSSO ATACAR COM ELES!!!!!!



Mira: GRRR...
Mira: DEFINITIVAMENTE ISTO NÃO É UM SONHO!








Mira\Hercules: VEREMOS QUAL ATAQUE É O MAIS PODEROSO!!!!!













Continua no próximo episódio........
avatar
Thanatos
Garanhão Coronas
Garanhão Coronas

Mensagens : 1146
Cosmos : -78991657
Data de inscrição : 12/02/2013
Idade : 30
Localização : Grécia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Hypnos em Qua Ago 26, 2015 1:08 am

Dias haviam se passado desde a reunião com os Guerreiros deuses de Odin, e que nossos bravos heróis tinham chegado ao novo mundo. Alguns se adaptaram rapidamente ao novo corpo e condição, e logo assumiram o lugar de direito. Outros tinham dificuldades de se adaptar.

Juquinha, mesmo havia encarnado no corpo de Loki, mas estava tendo problemas em aceitar sua nova condição. E vivia enfiado em tabernas e bares, bebendo quantidades absurdas de álcool.



Contudo Siegfried, líder dos Guerreiros deuses estava desaparecido há dias sem ter deixado vestígios. Ninguém sabia do paradeiro dele, ninguém avistou um corpo ou soube de notícias de sua morte. Era um mistério o verdadeiro rumo dele.



- Nas colinas ao extremo oeste de Asgard -




Siegfried: Eu sei que está me seguindo há 2 dias, sinto além de seu cosmo, seu cheiro, sem falar que é muito barulhento caminhando.....Hunter de Midgard.



Das sombras gélidas de enormes montanhas de gelo e neve, surge a figura de Midgard caminhando lentamente em direção de onde estava Siegfried. Hunter usava sua armadura, com exceção do elmo que trazia amarrado a cintura.



Hunter: Não imaginei que conseguiria me descobrir, tentei ser o mais cauteloso possível, assim como era quando caminhava entre os pivetes nas ruas de Sampa.



Siegfried: Não esqueça que não estamos mais na Terra, aquele mundo chato e tedioso. E aqui temos capacidades jamais sonhadas por humanos lixos.



Hunter: É verdade, ainda estou me acostumando com isso tudo. Mas diga....o que está fazendo aqui, tão distante de Asgard?? Não está fugindo....ou está?




Siegfried: Hahahahahahahahahahah  -[Siegfried gargalhava frente a indagação do companheiro]-



Hunter: Mas....



Siegfried: Não....até gostaria, mas seria uma tremenda desonra para a imagem dos Guerreiros deuses de Odin. Escute, melhor se sentar

Após alguns minutos, os dois acendem uma fogueira dentro de uma pequena caverna que haviam encontrado, não era profunda, mas dava para se abrigarem da nevasca que caia ao anoitecer.
Siegfried esmurrava uma parede de pedras alguns metros dali, e jogava rochas para criar um abrigo mais eficiente contra o frio, fazendo assim, quase um iglu;



Dentro da caverna, agora improvisada e melhorada pelo Guerreiro deus, dando um conforto e segurança maior contra o frio, Hunter se encarregava da fogueira usando troncos de arvores mortas que jaziam pelo caminho e ele recolhera algumas;



Após isso, enquanto Siegfried construia as melhorias na caverna, Hunter havia saido para caçar, e voltara com um veado morto nas costas (uiiii), após a limpeza da carcaça, providenciaram um churrasco e Siegfried então comendo aquela carne fresca, contava para Hunter seu plano:



Siegfried: Escute Hunter, agora que terminamos o abrigo contra essa forte nevasca lá fora, posso contar tudo tranquilamente. Estamos protegidos aqui dentro.

Siegfried, arrancava outro pedaço enorme de carne, mastigando e engolindo em seguida, saboreando o jantar.




Siegfried: O motivo de eu ter saído de Asgard, foi que resolvi entrar nas bibliotecas proibidas do Palácio Vallhala após a invasão dos inimigos a nossa nova terra. E pesquisei com afinco por 2 dias.

Hunter: Hmnnn



Siegfried: Ninguém sabia que eu estava lá, portanto, ninguém foi me procurar. E como ocultei meu cosmo ao máximo, ninguém foi capaz de me localizar.
Em meus estudos, pude descobrir de onde o perigo vinha......



Hunter: E de onde vem??




Siegfried: Muspelhein....terra do fogo, um dos nove reinos de Odin. Controlada por Sultur, e é ele quem está por trás disso tudo....mas receio que outra divindade esteja

manipulando-o.



Siegfried:De qualquer forma, depois disso, resolvi ir pessoalmente dar cabo desse Sultur, afinal, tenho o meu Hack da imortalidade. Aparentemente não haveria grandes problemas.



Hunter: Então foi isso. Eu resolvi segui-lo pois estava preocupado e achei que pudesse precisar de ajuda. Mas nesse caso, vou com você para esse inferno, talvez se derrotarmos esse diabo ai, poderemos trazer a paz de volta a Asgard.



Siegfried: Sim, em teoria!! Eu creio que Sultur deseja algo mais, do que simplesmente invadir Asgard e aniquilar nosso povo. Mas não sei ainda o que possa ser.




Siegfried: De qualquer forma, estamos bem protegidos aqui essa noite, descanse. Partiremos na segunda metade da manhã;




Hunter: Segunda metade?? E porque não na primeira hora??



Siegfried: Eu odeio acordar cedo....e praticamente é uma viagem que não tenho certeza se voltaremos. Então vou aproveitar o máximo que der.



Hunter: Mas espere, e como vamos chegar em Muspelhein?? Eu fiquei esse tempo todo imaginando como faríamos, afinal, eu creio que não deve ter um caminho exatamente fácil....




Siegfried: Não, não é!! -[Pensativo]-




Siegfried continuava: Não muito longe de onde estamos, existia uma pequena cidadela, que nos tempos mitológicos, Odin deixava com o seu ancião uma joia de extremo poder. Diz a lenda, que essa joia, pode ser usada para levar a qualquer um dos nove reinos do pai de todos.




Hunter: Mas....mas....não deve ser exatamente fácil de achar....se é que ela existe.




Siegfried:Até alguns dias atrás, você poderia jurar, que nada do universo Saint Seiya existia. E cá estamos nós, como Guerreiros deuses.
Acredite, a joia existe, tenho certeza!!! Já avistei algo que pode ser a cidadela perdida, enquanto construia o abrigo, acho que sei para onde devemos ir.




Os dois guerreiros deuses então dormem, Midgard ainda de armadura se envolve na capa de pelo de carneiro e fica próximo a fogueira que ardia violentamente.



Siegfried, havia levado grossas cobertas e peles de animais, onde forra o chão (agora pelo calor, revelava a rocha, que estava quentinha pelo fogo) e se cobri com grossas peles e cobertas. Deitava na outra extremidade da fogueira, punha sua urna da armadura divina proxima a cabeça e ainda mastigava pedaços de carne.

_________________
avatar
Hypnos
Fundador sonolento
Fundador sonolento

Mensagens : 2095
Cosmos : 1005953
Data de inscrição : 20/12/2012

Ver perfil do usuário http://coronas.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Myu de Papillon em Qui Ago 27, 2015 4:40 pm

"Enquanto isso, os irmãos Mizar e Alcor seguem floresta adentro, em busca de respostas sobre o que está acontecendo em Asgard"


"Mas, logo após adentrarem, eles verificam os corpos de duas mulheres, eles estavam nus e com marcas de violência, suas faces de desespero congeladas pelo intenso frio ficaram gravadas na mente de Alcor, que lembrou que tais mulheres foram raptadas na invasão dos bárbaros ao vilarejo destruído por Balder."


 Já chega... isso passou do limite.


Acalme-se, Henrique.


Só vou me acalmar quando enforcar quem fez isso com o próprio intestino.


Então pode ir se preparando aí, tem gente chegando (Puja logo percebe que os bárbaros ainda estavam ao redor daquele local. Os irmãos estavam cercados)


Ora, ora.... dois Guerreiros-Deuses. (o lider deles os encarava com um olhar provocativo)


Parecem inexperientes, vendo assim, não passariam tanta segurança ao reino.


Como é? (Puja indaga, resignado)


Isso mesmo que ouviu, vendo vocês assim, parecem dois meninos querendo brincar com armaduras.


Passem logo isso pra cá, não devem ter força suficiente para derrubar a nós, imagine então derrubar aquele guerreiro que acabou com o vilarejo em minutos.


Nós, Bárbaros, temos o poder para defender o reino.


Acabarei com ambos aqui, e pegarei sua armadura, rapaz da safira.


Serei finalmente um Guerreiro divino de Asgard, assim posso ter mais contato com aquela vadia da Hilda.


Farei dela minha amante particular, hahahaha!


A armadura do outro aí deixo pros soldados escolherem quem quer usar. Sem safira, sem valor.


Repita isso!


Henrique, para trás. (Puja pede para Alcor recuar)


Se quer tanto minha Robe de Mizar, venha.


Só não garanto sua integridade física.


Heh, você não sabe o erro que cometeu.


Aí vai!


Whoaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!! (O Bárbaro parte pra cima de Mizar)


Idiota....


Mas... o que é isso? (o bárbaro, a medida em que se aproxima de Puja, tem seus movimentos diminuídos... seu corpo começava a congelar)


Isso... é apenas um resquício de meu cosmo.


Fiz isso como uma demonstração, demonstração esta do abismo que exite entre um reles bárbaro violador de inocentes e um Guerreiro-Deus.


Pagará pelo seu insulto a mim, ordinário.


MORRA!!!! (Mizar o ataca violentamente, um golpe rápido e mortal)..


"A cabeça do líder bárbaro cai na neve, rolando até os pés de Puja, que logo a chuta para longe"


Nosso... líder.... (os bárbaros olham incrédulos a cena de seu líder morto facilmente)


MALDITOS, AAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH (os outros bárbaros atacam ao mesmo tempo Mizar, que se prepara para revidar o ataque da mesma maneira que fez com o líder)


Onde um burro vai... os outros o seguem....


Recebam o mesmo destino de seu líder (Puja prepara o ataque, mas....)


Morram Malditos!!! (Henrique intervém e ataca primeiro)
 
"Uma rajada de luz...


Uma dezena de corpos caem ao solo..."


Henrique, por quê fez isso?


Essa luta era minha, Pujol. A sua é contra Balder.


Mas você falhou, deixou um sobrevivente.


Foi intencional, Puja. Preciso tirar uma informação dele. (Henrique se dirige ao bárbaro gravemente ferido, mas que fora poupado da morte no primeiro ataque).


Responda rápido, infeliz. Onde está a filha do soldado do vilarejo.


Eu... não sei, cof (cospe sangue)


Sabe sim! (Henrique aponta uma garra para o peito do bárbaro)


eu.... AHHHHHHHHHHH (a garra perfura o pulmão do bárbaro, o sangramento aumenta)


Ela... ela está com o homem para qual a demos de presente.


E quem é ele?


É um guerreiro como vocês.


Como é que é? (Dessa vez, Alcor indaga)


Ele é....


...Megrez.


Megrez! Aquele tarado! (Henrique fica indignado ao descobrir quem era)


Vamos sair daqui e ir ao encontro dele. 


Tudo bem, Puja.


Ei, e quanto a mim? Vai me deixar aqui sofrendo com seus ferimentos?


Eu juro pra você, não estuprei ninguém.


Mas não impediu o ato.


Hã?


Aquele que se omite em impedir, que finge que não viu o ato, é mais culpado do que o bandido. (O olhar frio de Alcor indica o destino do Bárbaro)


Não, não! POR FAVOR!!!!


"O pedido é ignorado, e, assim como seu líder, ele fora decapitado, dessa vez o executor era Alcor"


Devemos encontrar Megrez imediatamente!


==========================================================================
"Henrique e Pujol avançam floresta adentro, e logo Alcor verifica uma familiar silhueta parada na frente de ambos, ocultada pela névoa que cai"


Lá está ele.


Alberich?


Exato.


"Alberich, sem saber o que esperava, abre os braços e cumprimenta ambos"


Finalmente chegaram, percebi o cosmo de vocês se aproximando daqui e resolvi espera....



MALDITO!!! (Henrique o ataca furiosamente)


Ahhhhhhhhhhhh!!! 


Tá louco, cara?


Vem aqui!!! (Henrique segue atacando, Megrez se esquiva na medida do possível)


Segura ele, Puja! O cara tá berserk!


AHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!!


Já chega, Henrique! Você não age assim! (Puja para na frente de Alcor, com suas garras apontando para o pescoço do irmão)


Se não se acalmar, terei de pará-lo à força!


Entendeu?


Tudo bem, parei. (Henrique começa a retomar a razão)


Cara louco, puta que pariu...


Megrez.................me responda........


Cadê a guria?


Que guria?


Aquela a qual seus subordinados bárbaros a trouxeram pra você.


Ela está em meus aposentos.


Está segura, não pense que fiz algo ruim com ela, por mais que eu tenha pensado em fazê-la provar de meu suco do amor por um instante.


Juro que não fiz nada, assim como não roubei aquele teu dvd.


Prove que o quê você está falando é verdade!


Tudo bem, já que é assim...


"Megrez empunha sua espada, e aponta contra o próprio rosto, fazendo um pequeno corte que começa a sangrar"


Essa é a prova de minha inocência.


Mais calmo agora?


Não precisava ser tão extremo, mas...


...tudo bem, é bom que aquela garota esteja segura, mesmo estando em sua companhia. (Henrique abre um leve sorriso)


Por quê está tão preocupado com ela, Henrique?


Prometi a um homem, que estava na iminência da morte, que iria encontrar e proteger essa garota daqueles que a raptaram.


E, caso algo tivesse acontecido a ela, eu mataria quem fez o mal a mesma, independentemente de quem fosse.


Esse homem era um guerreiro de um vilarejo destruído por Balder, um inimigo que se aproxima do Palácio de Valhalla.


E também era o pai dessa garota, de nome Lyfia.


Balder... Lyfia (Megrez pensa)


Se esse Balder está tão perto do Palácio, não podemos perder muito tempo aqui conversando. (Puja argumenta)


E, além de tudo, parece que não é apenas ele que está por aqui, dá pra ver que existem mais inimigos pelo caminho e....



"Uma estrela cadente surge, um cosmo desaparece"


Vocês sentiram isso? 


É como se um cosmo se arrebentasse de forma violenta, desaparecendo em seguida.


Um de nós caiu.


Quem pode ter sido?



Outro cosmo que desaparece, antes foi o do Siegfried....(Henrique reflete sobre o cosmo que desaparecera e o sumiço de Sieg)


Será que Siegfried também caiu nesta batalha? Ele é o líder...



Não... - Alberich demonstra estar indignado


Idiotas, se ele desaparecesse, a sua estrela na constelação de Ursa Maior teria se apagado também. - Puja explica a situação


Como assim, Puja? - Barouki indaga.


Vou provar pra vocês que o que estou falando é verdade.


Agora, olhe para o céu, Henrique. 



Consegue avistar a Ursa Maior?


Sim.


Alberich, agora você me responda: Quantas estrelas da constelação estão com seu brilho diminuído?


Uma.


Este brilho acabou de diminuir por conta do cosmo que desapareceu nesse instante...


...e pela posição da constelação, quem provavelmente morreu não foi Dubhe, mas sim Merak.



O Hyodo?


Exato, certeza de que foi ele quem fora derrotado e morto.



Eu já esperava que ele não fosse longe mesmo... - Alberich esboça um sorriso sádico.


Quanto sadismo, senhor Megrez... - Henrique provoca.


Não vamos discutir mais no momento, Alcor, devemos parar de conversar e sair pra ver o que está acontecendo...


...se não agirmos logo, mais companheiros irão perecer.


Vamos nos separar aqui. Henrique e eu vamos por um lado, você segue pelo outro, Megrez.


Nos encontramos dentro do Palácio, combinado?


Sim.


"Os guerreiros se separam em diferentes direções"


Ei, Megrez...


Fale.


Se cuida, cara. Faça isso por ela.


Pode deixar, hehe. O sangue daqueles que tiveram a ousadia de chegar aqui irá lavar minha Hōnō no Ken (Espada de Fogo) - Barouki esboça um sorriso sádico.


=========================================================================


"Quem foi o primeiro Guerreiro-Deus que pereceu em luta? E quem foi seu assassino? Estes mistérios se revelarão nos próximos capítulos"


Última edição por Henrique em Sex Ago 28, 2015 8:58 pm, editado 1 vez(es)

_________________
avatar
Myu de Papillon
Viadagem não especificada
Viadagem não especificada

Mensagens : 893
Cosmos : 11006013
Data de inscrição : 06/01/2013
Idade : 25
Localização : No seu kokoro S2

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Pujol em Sex Ago 28, 2015 1:53 pm

Pujol e Henrique seguiam em direção ao palácio Valhalla, logo após o ultimo se despedir de Barouki, Henrique estava visivelmente inquieto com a situação e acelerava a frente de Pujol que caminhava calmamente em direção ao castelo.



Vou acabar com isso antes que tu chegue lá Puja. Falava rapidamente acelerando o passo.

Se quer prestei atenção no que Henrique falava, algo me incomodava naquele local, como se algo nos seguisse, esgueirando pelas sombras igual a um rato que buscava um pedaço de pão em frente a armadilhas.





Tu esta muito lerdo mano, eu te vejo lá em cima, tenho contas a acertar e se te esperar vou morrer sentado HAHAHAHA. Ria intensamente enquanto disparava na minha frente.

Ele logo desapareceu da minha vista, porém a presença continuava a espreita, sem se mover para segui-lo, como se notasse minha pequena vigília sobre ela e decidisse que essa fora a melhor forma de se manter na escuridão sem ser descoberto.




O Henrique está muito avoado ultimamente, antes ele era o que mais cuidava o que acontecia ao redor, porém desde que chegamos aqui ele tem se esquecido de se precaver... Talvez ele não tenha entendido que não estamos no universo do cachaceiro e que os níveis de poder são bem diferentes quando a realidade os exige. Falava de forma calma tentando rastrear a maldita presença, sem sucesso aparente.





Não tenho tempo para perder com covardes, vou acabar com tudo de uma vez! Garras do Tigre Negro! Lancei meu ataque sobre todas as arvores e arbustos que haviam no local, me movimentando na velocidade da luz e carregando junto a meus golpes um terrível ar congelante.

Em menos de um instante já havia atacado todos os locais possíveis para um covarde se esconder, porém não consegui notar qualquer resquício de sangue ou da presença que assolava o local.



"De duas uma, ou afugentei o infeliz ou acertei ele com alguma das rajadas de cosmo de minhas garras... Mas provavelmente o afugentei." Pensava comigo enquanto me virava em direção ao castelo Valhalla e seguia em direção ao local.

Sem que eu soubesse Henrique já estava no local, sendo que já adentrará o hall principal e avistará alguém lá que estava de costas para a entrada.





"Que sorte a minha, uma nórdica de cabelos prateados e com belas curvas... Vou ter que pegar essa Valquiria." Pensava consigo mesmo enquanto andava lentamente em direção a figura sem realizar qualquer ruído.

Henrique chegava a um ponto próximo da figura e logo dispara em direção a mesma.



Desferindo um tapa incrivelmente exagerado na Bunda da figura e exclamando em seguida.



Gostosa! Falava em alto e bom som. "Não acredito que tive essa sorte, agora a bunda dela deve estar toda vermelha e pronta..." Pensava em bobagens logo em seguida.


A figura calmamente se vira para Henrique, fazendo com que esse ande para trás com certo receio.



Que porra é essa, um traveco? Falava assustado.

Henrique olha rapidamente para a figura e nota que ela carrega uma espada dourada, que estava ensanguentada, em uma mão e na outra a cabeça do guerreiro deus Hagen, porém antes de meu irmão expressar qualquer reação o ser lhe falou.



É incrível notar até que ponto a estupidez humana pode chegar. Falava calmamente enquanto arremessava a cabeça do guerreiro deus em Alcor.

Alcor segura a cabeça e consegue vislumbrar um resquício do cosmo do guerreiro Deus.



Pera ai esse energia é a do Hyodo, que merda está acontecendo aqui. Falava com certo receio.




Você acaba de desrespeitar um Deus... E deve saber qual a punição para uma blasfêmia desta. Falava levantando sua arma em direção a Henrique.

Alcor se sente constrangido com a situação e logo começa a falar de forma descontraída.



Desculpa ai cara, é que eu pensei que você era...Era interrompido pelo cosmo crescente do Guerreiro Deus que estava a sua frente.



A mim Balder, um Deus imortal, pouco importa o que alguém prestes a morrer pensa. Falava erguendo seu cosmo de forma que criasse uma ilusão a seu redor.

Henrique logo começa a suar, notando que o local se tornará uma réplica do céu, e que uma nova forma aparecia atrás do guerreiro tido como um Deus.





"Aquela é Yggdrasil, o Puja já havia falado algo sobre ela, mas não lembro o que era." Pensava rapidamente vendo a imagem se esvaindo enquanto outras se formavam ao redor de Balder.




Pereça perante minhas Valquirias, Yr. Lançava seu ataque calmamente.

Henrique logo olha detalhadamente as Valquirias de Balder e nota algo.



Merda meu sangue desceu pro meu pau só de ver essas loiras nórdicas ninfomaníacas bissexuais. Falava com certa tensão em suas palavras, pois sabia que era o que aconteceu.

As valquirias partem em direção ao inimigo que não conseguia se quer se mexer, brandindo suas espadas a primeira começa seu ataque.


(Não achei a imagem do saga segurando os ataques do Sigmundo sem o fdp do andreas)

Henrique utiliza as garras de sua Robe para aparar o ataque da primeira Valquiria, porém ele ainda não conseguia se mexer direito.


"Porra eu mal consegui aparar a espada dela, que merda meu pau não desce e o sangue não está voltando para minhas pernas." Parava de pensar em besteira logo em seguida.

Rapidamente três valquirias lançam seu ataque contra o guerreiro deus, que mal e porcamente consegue os defender, fazendo com que batam no mesmo local do ataque da valquiria anterior, porém Henrique começara a ser forçado para trás, sendo que seus joelhos já estavam dobrados.



"Se algo mais me atacar eu vou tomar no cu bonito dessa vez... Cade o desgraçado do Puja... E Por que mulheres nunca ficam nessa posição comigo no mundo real" Pensava rapidamente enquanto sentia que nem mesmo um bóson de higgs passaria por seu ânus.

Balder lançava uma leve risada, enquanto via o estado de seu oponente.



Até que um humano como você não é tão inútil, mas isso é só uma fração de meu poder. Falava enquanto uma criatura gigantesca de cosmo se erguia na ilusão, com a mesma forma e porte que Odin é representado nas pinturas e estátuas.

Henrique logo nota o ser e se desespera, enquanto tenta manter as valquirias em uma distância segura, caso falhasse seu corpo seria estraçalhado por elas, porém o novo ser era uma ameaça ainda maior.



Que desgraça eu prefiro morrer pra elas do que ser estuprado por esse jagunço ai, não quero nem ver... PUJA ME AJUDA SEU DESGRAÇADO. Falava de certo modo horrorizado com a situação e fechando os olhos logo em seguida.

Henrique solta suas garras se mantendo de olhos fechados, porém no mesmo momento ele pode notar um grito de Balder ecoando pela sala.

Mas o que?

Henrique nota que não estava morto e ao Abrir os olhos escuta uma voz.



Larga de vagabundagem e sai daqui Henrique. Puja falava com um tom ríspido e sério, diferente do que ele utiliza normalmente com seu amigo e quase irmão.

Henrique logo nota que Puja estava em uma posição como se tivesse desferido um soco em Balder, com muita força, porém esse não havia localizado o guerreiro Deus inimigo e logo retruca o seu amigo.



Não me enche Puja, tu sabe que no anime Alcor é mais forte que Mizar no mano a mano, só não é tão poderoso quanto o cosmo. Falava com confiança.

Sem me virar em direção na direção que o Henrique estava o respondi, soltando uma leve risada antes.



Você realmente pensa que isso aqui é igual ao que o cachaceiro escreveu? Respondia erguendo meu cosmo, enquanto notava que Balder se levantava do chão.

Provavelmente Henrique notará o cosmo de Balder, bem como o meu e logo respondeu.



Ta legal cara, isso aqui não está nem perto do que aconteceu no manga, mas que merda nem em um mundo de fantasia as coisas podem ser do modo mais fácil. Falava com um tom de reclamação notando que não estava no mesmo nível de poder do irmão e do de Balder, porém notará que fora o único a armazenar cosmo energia dos dois.

Balder logo nota a situação e começa a falar.



Então você é o irmão desse herege. Falava com um sorriso no rosto, como se tivesse prazer na batalha.



Sou e pelo que noto ele fez alguma coisa pra te fazer atacar ele daquele modo. Falava calmamente com o inimigo.

Henrique que começara a andar em direção as pilastras caidas do local para se sentar, começa a retrucar os dois.



Puja tu não é bem mais forte que eu? Por que está conversando com o inimigo ao invés de socar a cara dele. Falava com tom de provocação, graças a seu orgulho que estava meio que ferido, por ter que admitir que sua crença nas informações do trabalho de Kurumada estarem erradas.

Eu e Balder logo olhamos em direção a ele, com olhares frios, Balder soltou as primeiras frases.



Pelo que me lembro, você quase foi estuprado por minha técnica. Falava de forma calma.

Henrique quase acusa o golpe, porém antes de responder eu falei ao mesmo.



Pelo que sei você que pediu a minha ajuda, agora se puder nos dar licença tenho alguns assuntos a discutir com Balder. Falava calmamente ao mesmo, que se retirava do local.



Henrique Não olhe para trás se.... Era interrompido logo em seguida pelo irmão.



Cara não vem com esses cliches de anime pra mim, vai dizer pra mim não olhar pra trás se eu não quero ver uma morte, vai pra puta que pariu cara. Falava com certa raiva da situação.



Então só saia, mas não esqueça que nós temos a mesma mãe aqui. Falava calmamente com ele enquanto me concentrava em Balder.

Henrique saia do Hall com certa raiva, porém sabia que deveria estar em outro local naquele momento.
Enquanto isso Balder focava em mim e logo começava a conversar.




Você é diferente, não sabia que poderia conversar com humanos, sem que eles demonstrassem sua imaturidade. Falava com um leve sorriso.



É só escolher bem as pessoas com quem desejas conversar. Respondia ao mesmo de forma ríspida, porém educadamente.



É algo simples para os que residem neste mundo, mas difícil para os que vivem em um plano elevado, mas me conte por que você protege Hilda? O motivo de vocês humanos me intriga e o guerreiro Deus que matei não sábia falar de forma satisfatória. Falava friamente.

Me virei para trás e notei a cabeça de Hagen no chão, me aproximei da mesa e a peguei, enquanto encarava aquele rosto que mesmo após a morte mantinha uma expressão de pavor.



"Errar tanto em uma frase, isso é bem familiar... Hyodo, mesmo em um novo corpo você não consegue falar direito, que patético." Pensava calmamente enquanto arremessava a cabeça em direção ao mato.

É possível escutar um gemido de dor vindo do arbusto, mas não dei atenção ao mesmo.



Tudo é muito simples Balder, não tenho qualquer motivo para proteger Hilda e sequer vou proteger a mesma. Falava calmamente enquanto mudava minha posição para uma de ataque.



Então você poderia se juntar a nós, os verdadeiros Guerreiros Deuses, e varrer a escória deste mundo, de certa forma isso facilitaria nosso trabalho. Falava calmamente, esperando uma resposta.



Sua proposta me da nojo, Balder, afinal não seria capaz de olhar meu reflexo sabendo que ajudaria os insetos que vitimaram simples civis de Asgard. Falava com raiva enquanto partia em direção a Balder.

O guerreiro Deus Imortal nota que logo estou a sua frente e desfere um golpe com sua espada buscando me decapitar, porém me agachei e deslizei pelo chão ficando atrás do mesmo e o agarrei.



Vai tentar se sacrificar para me matar? Será uma perda de tempo. Falava notando certa semelhança na forma que o agarrei e de técnicas suicidas.



Nem perto, vou só mudar o local dessa batalha. Falava enquanto nos erguia ao alto, erguendo meu cosmo para dar impulso suficiente para atravessar o telhado do castelo, enquanto Balder solta uma leve risada. "Pelo menos assim nenhum inocente vai morrer aqui." Pensei rapidamente.




Alguns segundos depois um clarão atinge os arredores do mar do norte de Asgard, em meio a neve uma sombra com uma luz verde salta para um lado, enquanto outra azul permanecia no local da queda.
avatar
Pujol
CEO Empalador
CEO Empalador

Mensagens : 1249
Cosmos : 20006013
Data de inscrição : 16/02/2013
Idade : 25
Localização : 4ª Esfera: Giudecca

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Aiacos em Sab Ago 29, 2015 12:22 am

======================================================

"Enquanto Pujol e Balder estavam prestes a entrar em uma violenta batalha, havia uma certa movimentação no salão principal do palácio Valhalla."


- Então parece que o inimigo finalmente decidiu atacar a nós diretamente. "Durval refletia, enquanto degustava lentamente de uma taça de vinho, pensativo."



- Sim senhor, e além disso, eu senti o cosmo de dois inimigos, sendo um deles extremamente poderoso. Mas aqueles guerreiros deuses idiotas da Hilda devem dar conta deles. "Comenta para Durval em tom de escárnio."





- Mesmo assim Rung, é o nosso dever ajudar eles! "Frey se posiciona ao seu lado, desafiando-o, e relembrando a ambos sobre o motivo de terem ido até o palácio Valhalla: auxiliar a atual representante de Odin, Hilda, na sua luta contra os inimigos que estavam invadindo Asgard."



- Não fale bobagens! O mínimo que se espera deles é que possam conter as ameaças contra as nossas terras, do contrário, não merecem ser chamados de guerreiros deuses. "Rung revida, se mostrando agressivo em suas palavras."




- Ora Rung, por acaso você está com medo? "Frey zomba de seu colega, ao indagar de forma irônica e provocativa."




-Tens receio de morrer, e de ter o mesmo destino de Ur? "Frey novamente confronta Rung."



- Ora!! Seu maldito..."Rung vocifera porém é interrompido."



- Já basta!!! É o suficiente. "Durval se põe entre os dois, interrompendo-os."



- Não podemos ficar parados, senhor Durval! Além disso, Ur morreu pelas mãos do inimigo, e até agora não fizemos nada. "Frey argumenta com o seu líder, enquanto encara-o, seriamente."



- E também temos o sumiço repentino de outro camarada nosso, Midgard! Sequer sabemos para onde ele foi. "Frey continua questionando seu líder."



- Não fale besteiras!! Eu ordenei que Loki fizesse uma investigação e fosse atrás do inimigo responsável pela morte de nosso colega. Então não pense que estamos parados! "Durval aumenta o tom de voz."




- E eu tenho certeza de que ele fará um bom trabalho. "Durval volta a se sentar em seu trono."




- Sobre Midgard, fique tranquilo. Eu ainda sinto a sua cosmo energia. "Solta um suspiro profundo, e ao mesmo tempo, de desânimo."



- Agora basta, essa reunião está encerrada. Frey, socorra os feridos e se for possível, descubra se Loki obteve alguma novidade em suas incursões. "Encara o seu subordinado com um olhar autoritário." - E você Rung, vá verificar a situação do palácio, e descubra se há mais inimigos por perto. "Aponta para o outro guerreiro deus, ordenando-o para que prosseguisse com sua tarefa."




- Sim senhor. "Rung presta reverências e se retira do local."





- Sim senhor. "Frey também presta reverência, mas sai indignado do salão principal."

===========================================================================

"Enquanto isso, do outro lado do palácio Valhalla."



"Fenrir estava concentrado, com um olhar de seriedade."



- Apesar do que eu já tinha visto...pessoalmente ele é mais intimidador..."Mime comenta baixinho, para o seu colega."



"Diante deles, estava Fafner de Nidhogg."



- Vocês pretendem ficar me admirando por muito tempo? "Questiona em tom de deboche."

===================================================================

"E nesse exato momento, no lado de fora do palácio Valhalla..."



- Então, você é o guerreiro deus de Megrez? Não me parece ser grande coisa. "Frodi comenta com bastante confiança, convicção e arrogância."




- Poupe-me de provocações baratas. Vamos logo ao que interessa. "Sem perder tempo, eu saco a minha espada."




- Que assim seja!! "O meu oponente também saca a sua arma, e trocamos olhares belicosos."




- Isso vai ser divertido..."Sem me conter, dou um sorriso psicótico."


=========================================================


CONTINUA



Última edição por Aiacos em Sab Ago 29, 2015 1:26 am, editado 6 vez(es) (Razão : ua)

_________________

“Nada é mais justo na vida do que a própria morte. Não importa a cor da sua pele, não importa a profissão exercida, não importa a crença acreditada, não importa aonde nasceu e tampouco de onde veio. Todos, sem exceção nenhuma, irão voltar à terra, para apodrecer e servir de alimento aos vermes.”
avatar
Aiacos
Berseker
Berseker

Mensagens : 1491
Cosmos : 20009018
Data de inscrição : 03/02/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Hiramaru em Dom Ago 30, 2015 11:57 am

- Ei malaco. Chamo a atenção de Mimi usando um apelido que estou acostumado a usar. 


-Diga. 



 -Sabe... Esse cara me lembra o Mado Kureo de Tokyo Ghoul, aquele velho insano.  kkkkkkk 


-Parando para pensar é verdade. 



Fafnir apenas observa nossa conversa sem entender o assunto, estranha que mesmo que estejamos em maior numero não tentamos ataca-lo.
 
-Não faço ideia do que estejam conversando. 



-Mas não posso permitir ser ignorado... me entreguem suas safiras, se fizerem isso deixarei que vivam. 



-Nossas safiras? 



-Presumo que nenhum de nós fará isso. Malaco pega sua harpa e se põe em posição de batalha.



-Se Me lembro bem esse cara não era grande coisa no anime. Aponto para fafnir com um certo desprezo. 



-Vamos acabar logo com ele. Começo a me mover com um lobo selvagem esperando um momento para abocanhar minha presa. 



Fafnir fica atento aos meus movimentos. Se precavem para não receber ataques simultâneos de diversos lados



-Hira. Sua presença não será necessária... pode seguir adiante e pegar o próximo inimigo, deixe que eu cuido desse cara. 



-Que seja...  Fico meio desanimado com a sugestão do Malaco mas reconheço sua vontade e me coloco fora da luta.  



-Hahahaha quanta confiança a sua Benetnash. Mas agora sou eu que quero lutar com ambos. 



-Não deixarei que vá a lugar nenhum Guerreiro Deus de Arioth... 



-Ragadas de Dragonewt. Fafnir ataca Fenrir que estava se retirando da batalha. 



-Espere Fafnir. 



-Eu já disse que seu adversario sou eu. Mimi interrompe o ataque de Fafnir prendendo seus braços com as cordas de sua harpa.


_________________
avatar
Hiramaru

Mensagens : 1175
Cosmos : 1006201
Data de inscrição : 14/02/2013
Idade : 25
Localização : Santuario

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Thanatos em Dom Ago 30, 2015 1:57 pm








Hercules: Vamos Thor!
Hercules: Agora é a minha vez, me divirta!!!



Hercules: !!!! FOICES DE RODA !!!!



Mira: Atirou os escudos?
Mira: Oque!? Esses escudos foram lançados e estão com uma velocidade incrível, mal posso vê-los!!



Hercules: Hhahahahahahah...
Hercules: Isso mesmo Phecda. Meus escudos quando lançados superam a barreira do som e atingem a velocidade da luz!



Mira: São tão rapidos que parecem dezenas de escudos...não....são centenas deles!
Mira: Devo ataca-los, assim irei deter este ataque, acertando a imagem dos dois verdadeiros escudos!



Hercules: É impossível.



Mira: É oque vamos ver!




Mira: MARTELO MIJOLNIR!!!!





"Os martelos de Mira confrontam os escudos voadores de Hercules tentando atingi-los, quando finalmente o Mijollnir acerta os escudos faltando apenas dois deles, e ia de encontro aos dois últimos, os Foices de Roda desviam dos Martelos Mijollnir e aparecem em frente a Mira para sua surpresa."



Mira: Ahn?!
Mira: Pode controla-los?!
Mira: Aaaaaaaaaaaaaa.....









Hercules: Que vergonha, não sabia que o lendário Martelo herdado de Odin era tão fraco. "Vai caminhando até Mira, que estava caído no chão, ferido pelas Foices de Roda."
Hercules: Você está acabado, PHECDA!



Mira: ARrggh.... "Vou apoiando sobre o chão, me levantando com dificuldades."
Mira: Heheh...uf...uf....



Hercules: Oque foi Phecda?
Hercules: Qual é a graça?



Mira: Eu...eu não entendo.
Mira: Essas feridas....essas dores...que diabos aconteceu comigo?
Mira: Instantes atrás eu estava...estava trabalhando, levando uma vida normal....
Mira: ...e agora estou aqui, em um outro mundo completamente insano!



Hercules: ....
Hercules: Você fala coisas estranhas, e eu não tenho tempo para isso.
Hercules: Gostaria de uma luta digna, eu não sou como os outros Guerreiros Deuses, lutar é minha maior diversão...
Hercules: ...achei que você iria me divertir um pouco, já que é o asgardiano que carrega Mijollnir.



Mira: Você tem sorte, Hercules. "Finalmente fico de pé."
Mira: Ainda estou me acostumando com tudo isso.



Hercules: Meu orgulho me machuca atacar alguém com uma força tão fraca, Odin é mesmo um tolo por te escolher.



Mira: Como, oque você disse?!
Mira: Odin me escolheu?



Hercules: Agora já chega, Phecda.
Hercules: Irei mata-lo e levar sua safira de Odin para meu mestre Sultur!



Mira: Sultur? "Mesmo conhecendo este universo de Cavaleiros do Zodiaco, não me lembro desse nome...."
Mira: E quer....minha safira? "Olho para minha cintura e vejo a Safira de Odin presa em minha Robe Divina."



Hercules: Prepare-se para o golpe finaaaal!
Hercules: FOICES DE RODA!!!!!!!
Hercules: Adeus, Thor de Phecda...........













Hercules: Hmhmhmhmhmh.... "Uma grande fumaça é levantada, Hercules estava certo de sua vitória."
Hercules: Estou sentindo o cosmo de Fafnir e de outro Guerreiro Deus, deve ser outro servo de Odin, pegarei esta safira e seguirei caminho até lá.
Hercules: Oque é isso?



Mira: Uff....ufff....ufff....
Mira: Ainda estou vivo, mas....eu nem ao menos pude acompanhar novamente o ataque de Hercules.
Mira: Oque aconteceu?














Hercules: Sobreviveu ao meu ataque?
Hercules: Eu tinha certeza que tinha atingido algo.....



???: HEHEHEHEHEH..... "Uma risada roca e maléfica ecoa no local."
???: É claro que acertou!



Hercules: Quem é?
Hercules: Foi você que parou o Foices de Roda?



???: Sou Rung, Guerreiro Deus dono do Robe sagrado de Thrym!



Mira: Rung?
Mira: Um Guerreiro de Durval!



Hercules: Hahhaha, um Guerreiro Deus de classe inferior....
Hercules: Oque pensa que está fazendo vindo até aqui? Pretende lutar comigo?



Rung: Não pude deixar de ouvir seus insultos contra o martelo sagrado, MIJOLNIR! "Rung começa a aumentar seu cosmo, o céu escurece, raios e trovões tomam conta do cenário."
Rung: Irei mostrar, a verdadeira força de MIJOLNIR!



Mira: Estou sentindo....um cosmo...um cosmo incrível!



Hercules: Um guerreiro de classe baixa como você jamais seria páreo para HERCULES DE TANNGRISNIR!
Hercules: FOICES DE RODA!!!!!!!!



Rung: Ooooooooooaaaa
Rung: Troveje MEU COSMO!



Rung: BUMERANGUE.........




Rng: MIJOLNIR!!!!!!!
Rung: Hhhheeeeeeeeeaaaaaaa!!!











"Uma outra intensa batalha de armas começa, o céu é tomado pelos Bumerangues de Rung e as Foices de Roda de Hercules."



Mira: Incrivel!
Mira: Rung está acompanhando o ataque de Hercules destruindo as imagens dos outros escudos criados pela ilusão da velocidade deles!!!
Mira: Mas se isso continuar, a história vai se repetir, parece que Hercules deixa a ilusão dos escudos como alvo de proposito....desse jeito irá acontecer a mesma coisa que aconteceu comigo!!! RUNG!!!



Hercules: MUITO FRACO!
Hercules: IREI MATA-LO!!!!



Rung: Acho que não, Hercules.



Hercules: Oque disse!?
Hercules: Esses raios acompanhando os bumerangues dele.....



Rung: Tarde demais para perceber!
Rung: Conheça toda a força da arma do senhor do trovão!!!!



"Os Bumerangues de Rung deixam rastros de eletricidade por onde passam, destruindo todos os Foices de Roda de Hercules, um a um, indo diretamente até Hercules que desvia facilmente."



Rung: Sua técnica foi derrotada, Hercules!



Mira: Ele conseguiu....
Mira: ...Rung destruiu os Foices de Roda!!!!!



Hercules: Meus parabéns, Rung.
Hercules: Admito que é uma surpresa deter os escudos de Tanngrisnir, mas...heheehh.
Hercules: Você nem notou que foi atingido varias vezes por eles não é mesmo?



Rung: Oque!?
Rung: Uh....uhhhaaaaaaaaaaa. "O Robe de Rung fica aos pedaços de repente."
Rung: Quan...quando is-isso aconteceu?!?!?!?



Hercules: Meus escudos funcionam da mesma forma que seus Bumerangues....
Hercules: Após atingirem o adversário eles ainda continuam rodando o inimigo até ser derrotado se assim eu desejar...
Hercules: A velocidade é tão grande que você só sentiu as dores dos golpes segundos depois!



Rung: NÃO....PODE.....SER.....
Rung: MEUS...BUMERANGUES.... "Sem perceber, os próprios Bumerangues de Rung fincam em seu peito."
Rung: Uuuhhaaff.... "Rung cai no chão completamente derrotado."



Mira: Oque significa isso?
Mira: Os Bumerangues de Rung atingiram ele mesmo?



Hercules: Sim...
Hercules: Além de criar ilusões da tamanha velocidade, o Foices de Roda repelem outros ataques como defesa.
Hercules: Sinta também o veneno da sua própria técnica!! "Hercules guarda seus escudos em seu ombro uma vez mais."
Hercules: Finalmente chegou a sua hora, Phecda...



Mira: Grrr......



Hercules: Irei tomar sua Safira de Odin com estes escudos que derrotaram Rung!!!!













Continua no próximo episódio.....
avatar
Thanatos
Garanhão Coronas
Garanhão Coronas

Mensagens : 1146
Cosmos : -78991657
Data de inscrição : 12/02/2013
Idade : 30
Localização : Grécia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Aiacos em Seg Ago 31, 2015 3:08 pm

-----------------------------------------------------------------------

"Enquanto a situação de Asgard alcança seu clímax, iremos bem em frente ao palácio Valhalla..."



"Lá, uma perigosa batalha entre dois guerreiros deuses estava acontecendo, neste instante."




- Uff...uff...caralho...esse sujeito é forte demais..."Eis me aqui, passando por vários apuros em minha primeira batalha contra o inimigo. Apesar dos extraordinários poderes que havia descoberto nos últimos dias, durante meus treinamentos, uma luta exigia muito mais. Era uma situação completamente diferente. É a velha história da teoria versus prática."




- Hahaha, você já está pensando em desistir, Megrez? "Meu oponente me provoca, com um olhar sádico." -Entregue-me a safira de Odin, e aceite sua derrota. "O guerreiro deus de Gullinbursti avança na minha direção a toda velocidade. De onde que ele tirava todo esse fôlego? O babaca simplesmente não se cansava."



- Eu já lhe disse para me poupar dessas provocações esdrúxulas! Farei você se arrepender, seu maldito! "Furioso, eu empunho novamente minha espada e parto em sua direção, sem hesitar. Ainda não havia bolado um plano eficaz para derrotá-lo."



"Aliás, o choque de nossas espadas era surpreendente, e somado aos nossos cosmos em choque, um poderoso clarão se forma. Parecia um flash, sem zueira."



"Na real, essa situação toda parecia mais uma batalha medieval entre dois cavaleiros da távola redonda, do que uma luta de Saint Seiya. Mas uma coisa era fato: eu estava com a adrenalina a mil! Minhas mãos suavam frio, e eu agia freneticamente, na ânsia de acertar meu oponente a todo custo. Era uma sensação foda demais."


- Frodi, eu sei muito bem que você está sendo manipulado. "Dou um salto para trás, interrompendo a sequência de ataques, e respiro fundo, procurando repor meu fôlego." - Você jamais irias levantar um punho contra Asgard! "Aponto o dedo para o meu inimigo." -Ou a Toei filha da puta mudou o roteiro no final de Soul of Gold, e eu não vi? "Me questionei, pensativo."



- Basta de bobagens! E eu não sei quem é esse sujeito chamado Toei que você diz! Mas não devo satisfações para um falso guerreiro deus como você. Apenas suma diante do poder de minha Sieg Schwert, a espada da vitória!!! "Exclama com confiança e determinação em suas palavras, enquanto explode sua cosmo energia. O filho da puta não se cansava."


- Espere...tem alguém se aproximando..."Olho para o outro lago, e vejo uma grande silhueta saindo do palácio Valhalla, vindo em minha direção."


- Alberich, você está com problemas pelo visto. "Eis que me deparo com o coroa capacho do Durval."



- Ora, você? Ah, nada disso...esta luta está sob controle. "Eu afirmo com certa arrogância em minhas palavras. Mentira! Queria usar o Rung como escudo humano, para arremessar esse velho inútil pra cima de Frodi, e ao mesmo tempo, matá-lo em um ataque traiçoeiro."


- Hmmm...um outro guerreiro deus inimigo. "Frodi apenas analisa o novo adversário que havia aparecido no campo de batalha."


- Então você não parece precisar de ajuda. Eu estou seguindo ordens direta de Durval, e parti com o objetivo de auxiliar os outros guerreiros deuses, quando senti um violento choque de cosmos, e vim até aqui ver o que se tratava."O guerreiro deus se aproxima ao meu lado, enquanto encara Frodi com um olhar de desprezo, o que de certa forma irrita o mesmo."



- Ordens de Durval? Olha, eu não sei de porra nenhuma. Mas creia-me, não preciso da sua ajuda. Mas valeu a preocupação, velho. "Afirmo novamente, enquanto saco a minha espada de fogo, apontando-a para Gullinbursti."


- Velho é a mãe! Tsc...tudo bem, se é assim, sem problemas. Até porque, eu acho ridículo ter que bancar a babá de vocês. "Rung se afasta de mim, enquanto reclama da sua tarefa dada por Durval."


- Faça a sua parte, Alberich. Eu irei ajudar um outro guerreiro deus não muito distante daqui, que parece estar em apuros. "Rung se afasta, deixando a mim e Frodi para trás."



- Em apuros? Por acaso seria o Malaco...digo...Mime de Benetenashe? "Questiono para o velhaco, porém acabo pronunciando o nome da robe de forma errônea."


- Não, eu me refiro ao Thor de Phecda. "O guerreiro deus de Thrym apressa o passo e desaparece de nossa frente."


- Phecda em apuros? Eu não me lembro de ter visto ele nos últimos dias. Quem será que tomou o lugar de Thor? "Fico pensativo, tentando me lembrar dos integrantes do fórum que eu ainda não tinha visto."




- Por um momento pensei ser covardia fazer isso. Mas quer saber de uma coisa? Eu não vou deixar esse maldito escapar. Depois de matá-lo rapidamente, virei até aqui acabar com você, Alberich! "Frodi parte em alta velocidade, indo atrás de Rung, com a espada empunhada, no claro intuito de matá-lo o quanto antes."




- Acalme-se, guerreiro deus. Nossa luta não acabou. "Tinha saído atrás de Gullinbursti, correndo feito louco, até que me coloco à sua frente, evitando que o mesmo saia do local de combate."



- Escória! Eu irei matá-lo agora mesmo! Mostrarei o verdadeiro poder de um guerreiro deus. "Frodi vocifera enquanto explode seu cosmo."



- Cale-se, seu filho da puta. "Sem perder tempo, eu saio em disparada para cima de meu inimigo."




- Morre, desgraçado! "Meu oponente grita furiosamente, visivelmente berserker."



- Banzaaaaaaai..."E assim, a luta recomeça a toda força."



"Puta que pariu, tá foda!"
--------------------------------------------------------------------------------------------

CONTINUA

_________________

“Nada é mais justo na vida do que a própria morte. Não importa a cor da sua pele, não importa a profissão exercida, não importa a crença acreditada, não importa aonde nasceu e tampouco de onde veio. Todos, sem exceção nenhuma, irão voltar à terra, para apodrecer e servir de alimento aos vermes.”
avatar
Aiacos
Berseker
Berseker

Mensagens : 1491
Cosmos : 20009018
Data de inscrição : 03/02/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Pujol em Ter Set 01, 2015 1:11 pm

Alguns minutos após, a batalha se iniciar no norte gélido de Asgard, me via em uma situação inusitada, Balder era o que o mito dizia e muito mais, um homem que não possui fraquezas externas, capaz de aguentar o golpe físico mais poderoso que existe e sair ileso, enquanto eu sou um humano, embora tenha um bom nível de conhecimento sobre a mitologia nórdica e tenha me tornado um com um guerreiro Deus, bem como ter descoberto certos segredos desse lugar, não posso deixar de notar o quão poderosa é uma bênção divina.




Balder... Tenho que admitir, você realmente é imune a ataque físicos. Falei de forma paliativa, verificando minha estratégia.



Não acreditar em um ser divino é passível de morte, mas tenho que admitir, você é mais forte que seu irmão... E é o primeiro oponente que tenho que consegue sobreviver após lutar comigo por tanto tempo e sem ter nenhuma ferida fatal. Falava calmamente enquanto batia palmas.

Olhei o que existia ao meu redor, o local era exatamente como havia planejado, vazio e morto, essa era minha vantagem.



"Que saco, vai demorar um pouco mais." Pensei calmamente enquanto lembrava do que acontecerá nos últimos minutos.

Logo após termos caído nesse local morto, pude notar pela primeira ver que Balder não sabia o que era dor.

Minutos antes utilizei uma técnica quase suicida para trazer a luta a estes ermos gélidos, porém o golpe não teve qualquer efeito em Balder, além da neve sobre seus cabelos.

Flashback

Você realmente pensou que este ataque iria me deter?
Falava com certa arrogância.

Na realidade não, já tinha em mente que você tem alguma dádiva divina, mas derrotar um ser divinizado é muito bom para o ego. Falava com um sorriso zombeteiro em meu rosto.

Nosso dialogo se tornou tão quieto quanto os ermos em que nos encontrávamos.

Patético, suas palavras trazem a tona a verdadeira natureza impura dos humanos que habitam este reino, morra! Ansur!
Falava desdenhando enquanto empunhava sua espada na direção de Shido.

Balder lança consecutivas rajadas de cosmo em minha direção, instintivamente começo a me movimentar para me esquivar dos golpes de Balder.


Droga... Você tem uma reserva infinita de cosmo? Falei rapidamente a Balder, enquanto me esquivava de suas rajadas de energia e pude notar uma pequena luz em seu punho, como uma tatuagem.

Balder continuava seu ataque, sem se mover, apenas desferindo rajadas e mais rajadas de ataques, que causavam certa destruição pelo local, enquanto mantinha minha movimentação envolta do local em que Balder estava.

Mizar, não vai me encarar como fizeste no palácio Valhalla? Vai continuar fugindo como uma lebre diante de um lobo?
Mantinha um pequeno sorriso em seus lábios após falar comigo.

Talvez, eu continue Balder, mas será que eu sou a presa? Falei com certa arrogância para irritar Balder, enquanto mudei minha trajetória, indo de encontro a Balder.

Um Deus nunca deixará de ser o caçador perante humanos normais. Falava com sua arrogância, mantendo o ataque em minha direção.

Os ataques de Balder são poderosos, mas lentos se comparados a minha velocidade, a de Henrique e a de Hiramaru, essa vantagem era algo novo para mim, mas fácil de me acostumar, a agilidade de Shido era ainda melhor, me aproveitei disso e escapei de cada ataque de Balder com movimentos leves e que pudessem ser engatados a um novo movimento, visto que o puto não parava de atacar por nenhum instante.

Te mostrarei como um Deus se torna a caça, morra! Garras do Tigre Negro! Lançava meu ataque.


Humano tolo, arrogância será sua ruína. Falava com um sorriso psicótico estampado enquanto lançava mais uma rajada de cosmo em minha direção.

Balder não notará, ou não deu atenção ao fato de ter danificado o campo de batalha, que nada mais é do que um lago congelado, aproveitando isso ataquei o gelo sob os pés do mesmo, me esquivando de seu ataque de um modo atrapalhado, deslizando pelo gelo, em contrapartida, o chão sob os pés de Balder ruiu e me lancei ao ar, escapando da pequena armadilha no lago.

Talvez os Deuses gostem de tomar banho gelado, ou são fáceis de enganar.
Falei com um pequeno sorriso, enquanto aterrissava em uma área segura.
 
editando...
avatar
Pujol
CEO Empalador
CEO Empalador

Mensagens : 1249
Cosmos : 20006013
Data de inscrição : 16/02/2013
Idade : 25
Localização : 4ª Esfera: Giudecca

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jogo 01 - Saga de Asgard - A Ameaça Fantasma a Asgard

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum